Dando um Grau no Som da sua House Party

Dicas & Tutoriais

Imagine o seguinte cenário – você é convidado para uma festa na casa de um amigo e ao chegar lá percebe algo de errado com o som, a ponto de cortar a vibe do seu rolê.
Áudio distorcido, excesso de ruídos, som abafado. Vacilos comuns que podem ser facilmente evitados com o mínimo de conhecimento sobre o assunto.
Fomos então atrás de algumas dicas básicas para quem estiver afim de ouvir um som de boa qualidade, gastando o mínimo possível.
O nosso orientador sobre o tema é Guilherme Canato, engenheiro de áudio que já participou da configuração dos sistemas de som dos maiores eventos de música eletrônica pelo país, como o D-Edge Festival, DGTL São Paulo e Time Warp Brasil.

Escolhendo os Cabos e Conectores

Pode soar meio clichê, mas a frase “o barato sai caro” se aplica muito bem nesse caso.

 

Para evitar mal contato e danificações nos fios, procure comprar os seus cabos de áudio em lojas especializadas, principalmente devido a garantia e o respaldo que elas oferecem.

Cabos mais finos tendem a ter uma vida útil menor, danificando mais rápido as extremidades e, de tabela, os aparelhos em que forem conectados – por conta do constante manuseio que você fará nele ao tentar corrigir possíveis chiados e mal contatos.

 

Se for adquirir um cabo P2 (o modelo de plug mais usado em fones e entradas auxiliares) fique atento se ele é Mono ou Estéreo.

Conforme a imagem acima, os modelos Mono (um canal de som) possuem apenas um risco no conector, já os modelos Estéreo (dois canais de som) possuem dois riscos – cada um deles pode ser apropriado para um tipo de situação, mas no caso do que estamos tratando neste artigo, opte sempre pelo Estéreo.

 

Priorize cabos que tenham seus conectores banhados a ouro (os dourados). Essa galvanização o deixa mais resistente à corrosão, oxidação e altas temperaturas, fazendo ele durar muito mais tempo que os convencionais. Além disso, eles também são melhores condutores de energia, o que proporciona uma melhor qualidade de sonora.

Posicionando as Caixas de Som

Definir o local do seu sistema de som impacta não somente no uso do espaço e no fluxo das pessoas em sua festa (falaremos sobre isso em um próximo artigo) mas também no modo que a música irá soar no ambiente.

 

Esteja ciente de que quanto mais próxima as caixas estiverem de uma parede, maior será o acúmulo de grave – e isso não necessariamente é algo positivo.

Caso tenha duas ou mais caixas de som, é interessante distanciá-las em, ao menos, 1 metro. Isso dará um melhor resultado para uma imagem em estéreo, diferindo de forma mais nítida os canais da direita e da esquerda. Só não distancie demais para não perder essa referência.

 

Para os subwoofers recomenda-se que os deixem no chão, o que melhora a reprodução de suas frequências graves. Para caixas de frequências médias e agudas (também conhecidas como “altas”) é recomendado deixa-las na altura do ouvido.

 

Atente-se também à superfície do local em que elas serão posicionadas. Para evitar vibrações procure por lugares fixos e, de preferência, sempre utilize algum material entre a caixa e a superfície para que sirva de amortecedor (como uma placa de espuma).

Qualidade de Mídia e Reprodução

Tudo bem, não estamos mais no início do século 21, mas ainda é comum encontrarmos algumas gafes em relação aos formatos dos arquivos e qualidade de reprodução das músicas que podem ser evitadas.

 

Se for utilizar algum arquivo de música procure saber de onde ele veio. Muitas das tracks que encontramos perdidas pela internet são frutos de “conversões” de alguma fonte online de streaming, como o YouTube. Isso pode fazer com que um arquivo, originalmente em 128kpbs, seja convertido para um “falso” MP3 de 320kpbs – o que tecnicamente ainda o faz ter uma qualidade de 128kbps.

Sempre adquira suas tracks em plataformas digitais, como o Beatport e o iTunes – além de ser a maneira legal de fazer isto elas dão a opção de baixar os arquivos em uma alta taxa de bits e, em alguns casos, em formatos superiores ao .MP3, como o .AIFF e o .WAV (também nos aprofundaremos neste assunto em um próximo artigo).

 

Caso você esteja utilizando alguma plataforma digital de streaming, como o Spotify ou o Deezer, verifique nas configurações do software/app como está definido a “Qualidade de Streaming” – o padrão costumar ser um modo dinâmico que reduz a qualidade da música caso o seu sinal de internet esteja fraco (ou nos dados móveis) e aumenta quando o sinal está mais forte ou via wi-fi.

Cuidados com o Volume

Uma dica bem simples, mas que muitas vezes não é aplicada: Nunca deixe o volume dos seus aparelhos no máximo.

É essencial observar a relação de volume entre os dispositivos que amplificam o seu sinal de áudio para evitar uma distorção do som. Essa distorção normalmente é causada pela saturação, que ocorre quando a quantia de volume excede a capacidade do equipamento em processar o sinal de áudio.

Por exemplo. Se você colocar o volume de seu iPhone no limite máximo, a medida que você aumentar o volume do seu sound system, ficará cada vez mais perceptível a distorção sonora na música.

 

Sempre mantenha o volume um ou dois níveis abaixo do limite e respeite a capacidade dos seus aparelhos.

SOBRE: GUILHERME CANATO

Natural de São Paulo, Canato é Produtor Musical há mais de 15 anos e Engenheiro de Áudio formado pelo instituto SAE – Byron bay, Austrália.

SoundCloud     Spotify     Facebook